Origem do twerk e como balançar nossa bunda incomoda.

por em Inspiração

Nosso corpo é político. E mexer nossa bunda porque a gente quer, incomoda. Incomodemos, pois.

É quase como se não devêssemos nos comportar assim, não é coisa de > mulher decente <. O twerk e outras “booty dance” além de serem armas poderosas – e prazerosas- para trabalhar a autoestima enquanto movimentamos muito nossas bundas e quadris, também são uma maneira de resignificar a nossa sexualidade e de valorizar rituais da cultura negra.

O Twerk é um movimento encontrado em diversas danças e tem muita semelhança com a dança Mapouka da Costa do Marfim. Mas a palavra twerk tal como é, foi inventada pelos criadores da Bounce Music, em New Orleans, Estados Unidos. O Dj Jubilee utilizou a palavra pela primeira vez em 1993 na música “Do The Jubilee All”, há mais de 25 anos. (Ouça nos 30 segundos.)

Como disse a Professora de Dança Kim Jordans, o twerk é, na verdade, um movimento do Booty Dance, que reúne as milhares de possibilidades do que podemos fazer com a bunda e com os quadris. Porém, a palavra twerk ficou tão famosa que acabou quase por inverter o conceito. Mas o que realmente importa é que a dança tem sido, cada vez mais, uma maneira de não nos calar – ainda sem dizer uma palavra-, e de não aceitar a repressão da nossa sexualidade.

 Nossos corpos não estão à disposição do prazer do outro, movemos a bunda, senão, pelo nosso próprio prazer.

Um pequeno doc de 5 minutinhos sobre o Twerk:

Dois grupos que estão chamando atenção para o tema é o BDNT e o Twerk das Minas. Ambos, através da dança, reúnem as mulheres para promover autoestima, integração e discussões.

BDNT – Página no Face

O BDNT (Bunda Dura Não Treme), foi criado pela Jade Quoi de apenas 22 anos, que além de liderar o grupo, é psicóloga, e por isso, além de ensinar coreografias, aborda diversos temas entre as meninas do grupo.

sam1
foto: Sarah Rolim.

14947627_2137414049817677_5765333839162055547_nTWERK DAS MINAS > Página no Face

O Twerk Das Minas surgiu de forma despretensiosa no conjunto residencial da USP. Em entrevista para a Vice, uma das fundadoras, Ane Sarinara, disse: “A gente estava literalmente fazendo faxina quando a ideia surgiu. Começou a tocar “Work” da Rihanna e começamos a dançar. Uma foi mostrando o passo para a outra e foi aí que tivemos a ideia de juntar as amigas pra uma ir ensinando a outra”. O evento que esperava umas 15 pessoas, teve 600 confirmadas online. Mais sobre elas aqui.

Foto: Laura Viana
Foto: Laura Viana
Foto: Laura Viana
Foto: Laura Viana
Foto: Laura Viana
Foto: Laura Viana

E vamos chacoalhar a bunda, o corpo, os preconceitos e os traumas.

Retirada da página Twerk das Minas
Retirada da página Twerk das Minas

Mais informações sobre o tema aqui, ali. E ainda “Twerk- booty-dancing a white privilege?

Comentar via Facebook

Comentar via Blog